terça-feira, 12 de agosto de 2008

Só Quem estudou ou Mora em Nampula Percebe Este Drama


Há universitárias a prostituírem-se
E ONDE ESTÁ O ESTADO? QUAL É A SUA RESPONSABILIDADE?

A cidade universitária como é nos últimos tempos denominada Nampula, está de vento em popa. Não é para menos. Sete instituições do ensino superior estão em funcionamento, com quase uma dezena de faculdades. O número de estudantes também não pára de subir a cada ano que passa, com todas as dificuldades e adversidades que daí advém. Mas como não há bela sem senão, algumas jovens, para conseguirem superar a falta de condições e a carestia de vida, vão-se prostituíndo um pouco pela urbe fora.

Maputo, Sábado, 9 de Agosto de 2008:: Notícias

A demanda do ensino superior é uma realidade na cidade de Nampula nos últimos dez anos. Porém, também é um facto que há corrupção sexual entre alguns estudantes de poucas posses, para suportar os estudos, situação que afecta maioritariamente as provenientes de outras regiões deste vasto Moçambique.

É uma dura realidade o facto de que algumas estudantes das diversas instituições universitárias têm que “vender o seu corpo”, pelo facto de as suas famílias não terem suporte financeiro para aguentar os custos das suas educandas.

Assiste-se assim a uma intensa promiscuidade, que atinge algumas estudantes, sobretudo com alguns empresários, nacionais e estrangeiros, com poder económico, grupo este que é o preferido pelas “mwanas”, como são chamadas neste ponto do país.

ENCONTRAR ALTERNATIVAS NÃO É PROSTITUIR-SE

S. Daúde, que veio de Inhambane, depois de concorrer aos exames de admissão na cidade de Maputo, considera que não se está a prostituir, mas sim “a encontrar alternativas” para arcar com as despesas do seu curso na Universidade Pedagógica, delegação de Nampula.

E ponta o facto de não possuir por cá ninguém com algum vínculo familiar. Daí que tenha que arranjar ajuda, não apenas no pagamento de propinas e compra de material, mas também noutras despesas que são imprescindíveis para a sua estada em Nampula, como é o caso do aluguer da dependência em que está a residir e para a compra de alimentação:

- Temos que fazer este sacrifício para pudermos suportar as despesas. As que arranjam homens para as ajudar, não estão a prostituir-se como se quer fazer entender e se for a notar, a maioria apenas se mete com homens comprometidos matrimonialmente. Não andam nas ruas ou esquinas à procura.

Por seu turno, Julieta G., proveniente de Sofala, que também anuiu em falar à nossa Reportagem sobre o assunto, disse não se tratar de prostituição coisa alguma, mas de uma forma de sobreviver face as contingências de momento, pois após terminar o seu curso de Direito na Universidade Católica, vai levar uma vida normal como fazia dantes:

- Sempre fui uma moça de bem, nunca me passou pela ideia que iria um dia trocar o meu corpo por bens ou outra coisa, que não fosse amor íntimo. Mas as coisas precipitaram-se dum momento para o outro, principalmente quando transitei para o segundo ano e as exigências foram-se avolumando, numa altura em que a mesada que os meus pais mandavam começou a falhar. Não tive outra alternativa, disse Julieta, um tanto amargurada.

HÁ QUE BUSCAR SAÍDAS...

Alguns residentes em Nampula dividiram-se nas suas análises. Uns acham que as estudantes que trocam as suas partes íntimas em favor de valores monetários ou bens materiais para custearem os seus estudos, não têm alternativas, a avaliar pelo alto custo de vida, que dia pós dia tende a agravar-se:

- Veja que eu, como trabalhador e com um salário médio, tenho que apertar o cinto para conseguir sobreviver. Imagine agora um simples estudante, ainda por cima universitário, que vive longe dos seus familiares. O que vai fazer?, questiona Maximiano Zucula que acha que não lhes resta outra alternativa.

Por seu turno, Eurico da Silva afirmou que se torna insustentável para um estudante vindo de fora da província, fazer a faculdade com os seus próprios meios, a não ser que seja membro de uma família abastada. Mais adiante, conta-nos uma história que entende ser das estudantes que estão a fazer o ensino universitário à custa de “amigos”:

- Conheci uma moça que me confidenciou estar em Nampula por ter chumbado no primeiro ano na Universidade Eduardo Mondlane, onde estava a fazer Medicina. Veio para cá, conseguiu ingressar na UniLúrio e está a arrendar uma casa com dois quartos, cuja renda mensal está a 10 mil meticais. Para além deste valor, tem que pagar propinas, porque não tem bolsa. Mesmo assim leva uma vida de “princesa”.

Entretanto, alguns dos nossos entrevistados entendem que os estudantes que enveredam por esta atitude, deviam ter no seu âmago o empreendedorismo como foram os da geração 8 de Março, que com os parcos recursos que dispunham, num momento difícil para o país, concluíram os estudos universitários com êxito e muitos deles ocupam diversos cargos de direcção ao nível central e provincial:

- O que entendo é que muitos destes estudantes estão habituados a ter uma vida facilitada, pois poderiam encontrar junto do empresariado local uma oportunidade para prestação de serviços nos estabelecimentos formais, como por exemplo nas bombas de combustíveis, nos restaurantes e outros locais similares, obterem algum dinheiro para superar ou minimizar as dificuldades que enfrentam e custear os seus estudos, anotou por seu turno Rosário Chale.

De acordo com Chale, nos países onde a demanda do ensino superior é alto, os estudantes, através das respectivas associações, têm feito contratos de trabalho com algumas empresas do ramo de transporte, hotelaria e outros, para prestação de serviços:

- Penso que aqui em Moçambique poderíamos cultivar esta cultura, não esperando apenas que os nossos país ou o Governo suportem na totalidade os nossos estudos superiores após o ensino secundário.

NÃO SÃO APENAS RAPARIGAS...

Maputo, Sábado, 9 de Agosto de 2008:: Notícias

Estranho mas real. Afinal não são apenas estudantes do sexo feminino que trocam as suas partes íntimas para viver, como se diz na gíria popular, no bem bom. Jovens do sexo masculino em Nampula, para continuarem os seus estudos no nível superior, também o fazem. Para a nossa Reportagem chegar a este conhecimento, foi graças a um alerta feito de uma das nossas entrevistadas, que nos confidenciou que alguns dos seus colegas vivem “maritalmente” com algumas senhoras, de forma a suportarem as despesas dos estudos.

Para o efeito, indicaram-nos C. Jacinto, proveniente da província de Inhambane, que vive com uma senhora, algures no bairro do Muahivire. Ele recebeu-nos com alguma simpatia, abriu-se, mas alertando-nos para o facto de a relação que está a ter com a actual “esposa” ser temporária:
- Vou ser sincero convosco: eu, tal como as minhas colegas, temos que arranjar formas de suportar os nossos estudos. Muitos de nós viemos de famílias pobres e sem posses, mas nem por isso podemos prescindir de continuar a estudar. Temos que fazer isto para entrar no processo da luta contra a pobreza, que passa pelos estudos, ironizou Jacinto.

Como Jacinto, um outro estudante não teve meias medidas em afirmar que desde que está em Nampula a fazer o curso de Comunicação na UCM, teve que passar por “chulo”, encantando senhoras, algumas delas mais “velhas” que para poder suportar os estudos que ele considera que num estabelecimento de ensino de nível superior, não é coisa de brincar.

Maculule, que vem de Xai-Xai, disse por seu lado, que viu-se forçado a “casar”, para conseguir safar-se dos problemas que vinha enfrentando para custear os estudos, sem o que teria desistido no seu terceiro ano:

- Mas agora vou no quarto e estou a preparar a minha tese de defesa e daí não sei se vou continuar com ela ou não.

Luís Norberto

5 comentários:

Marques disse...

SOQUEM ESTUDOU OU MOROU EM NAMPULA PERCEBE ESTE DRAMA!
Concerteza, absloluterrima!
Por vezes, nao basta falar dos problemas dos outros de forma sabia quando nunca os vivemos... dar opiniao ou criticar de forma cruel coisas que no fundo desconhecemos mais porque temos que mostrar a seja la quem for e o que for falamos de coisas que desconhecemos.
COMO DIZ A LEI - IPSO FACTO ORITUR IUS e nao ORITUR IUS IPSO FACTO.
REPUGNO A PROSTITUICAO,SEJA ELA DE QUE FORMA FOR, MAS NAO REPUGNO A PESSOA PROSTITUIDA.
ILustre, vivemos de perto esta realidade e por isso decidi escrever, nao como jurista apenas mais como membro da sociedade universitaria da instituicao em causa.
vi pessoas educadas, de boa aparencia e com ideias construtivas desviarem-se do caminho por dificuldades e ou barreiras impostas pela ironia da vida.
filhos que depois de dois anos foram sur[preendidos pela morte do pai ou mae que lhes sustentava os estudos a optarem por tudo aquilo que condenam, apenas para um dia serem alguem e darem a sua contribuicao para o desenvolvimento.
irmaos, quem quer que seja... que levante a primeira pedra.. desde que nao tenha telhado de vidro.
Pois para mim. se ja descobrimos o problema, vamos criar a solucao,moptando por recomendar a quem de direito para que crie lares, escolas, que incentive o sector privado a fomentar o trabalhador estudante.
Conheco dezenas de estudantes universitariso que anceiam por um emprtego atras de um balcao de uma pastelaria, mas, como conceguir senao fazendo as vontades do patrao..... imaginem so... se o patrao quizer sexo.... vao te ebtrevistar nao e.
sejamos mais serios.. A UNICA PROSTITUTA QUE EXISTE NESTE SENARIO TODO E AQUELE QUE DEVERIA FAZER ALGO PARA QUE ESTA SITUACAO HUMULHANTE NAO EXISTISSE E NAO FEZ.
ha pessoa que ja sao umilhadas pela condicao de vida que o destino lhes deu... pensem nisso.

Custódio Duma disse...

Ola Marques

Eu não me lembro mais do que passei enquanto estudante....

A fome fez-me esquecer todos outros problemas e tudo que eu devia fazer era mata-la!

Há coisas na vida que só são percebidas por quem as vive...Bob Marley diz o seguinte: Who feel it, Knows it at all...

Veja também: http://athiopia. blogspot. com/2008/ 03/o-elogio- da-loucura- moambicana. html

guanazi disse...

olá,

"Há coisas na vida que só são percebidas por quem as vive"

Amigo, não sei se imaginas o quão sábias são estas palavras! A vida tratou sem piedade de me fazer enxergar o alcance das mesmas.. Já fui uma pessoa muito crítica, implacável para com aqueles que tinham uma visão do mundo diferente da minha.

A vida tratou de me fazer passar por tudo quanto antes havia condenado e escarnecido, tintim por tintim, fez-me engolir as próprias palavras e provar de meu próprio veneno. Hoje não mais condeno, seja quais forem os actos, atitudes das outras pessoas. Procuro antes a compreensão e aprendi que só esta nos leva a abrir o espírito para o amor ao próximo.

Custódio Duma disse...

A vida...

é uma grande escola e, as vezes, ela realmente ensina sem piedade! Ao mesmo tempo que nos ensina, também nos embaraça e aperta o nosso ego!

feliz de ti Guanazi, que aprendeu. Muitos exemplos que a gente ve, mostram que só os sábios realmente aprendem com a vida.

pessoalmente, duido da lucidez do ser humano em reivindicar a detenção exclusiva da razão para si!

Reflectindo disse...

Meus caros

Concordo com o que escreveram. De princípio acho que o jornalista fez muitíssimo bem por descrever um facto - prostituicão. Ele fez ainda muito bem por ter feito uma entrevista com uma parte de actor.

Talvez cada coisa no seu tempo, mas eu passei muitíssimo mal e sacrifiquei-me muito sobretudo na vida estudantil. No meu trajecto deixei muitos companheiros que se renderam.

Seja como for, esta situacão é séria tratando-se que estão-se a moldar futuros que devem combater este tipo de atitude que até desestabeliza os lares e cria outros problemas. E, depois é que não acho justo que estejamos a reconhecer que por sexo resolvamos os problemas sócio-económico...

O que está em causa é sim, falta de lares e um ensino bem estruturado e adequadas - concordo. Também, falta uma política que permite que o filho de pobre tenha igual possibilidade de estudar como o do rico ou da elite política. Contudo, os nossos estudantes têm que aprender a debater os seus problemas que apenas arriscarem-se como desta forma. Na entrevista me parece estarem eles e seus pais culpados. Isto é como o professor que extorque do aluno ou encarregado de educacão de educacão porque é mal pago ou até fica meses sem vencimento; é como o enfermeiro que extorque o paciente, polícia que extorque do motorista...

Vamos a ver se a entrevista não tenha apenas servido do nosso divertimento.

Do exemplo do Marques, sobre quem pede emprego e o patrão lhe exige relacões sexuais, eu pergunto de como a justica mocambicana trataria a questão se o assediado se queixasse num tribunal? Este parece um dos grandes problemas em Mocambique, um problema que exige a nossa accão. Não é uma fantasia, mas é o que muitas vezes e em muitos lugares acontece e isto é uma das formas de escravidão. A pessoa vai trabalhar e ganhar mal pelo trabalho, mas ela é ainda obrigada a fazer sexo com o patrão e ou chefes...

Pensemos nisto!