sexta-feira, 30 de Maio de 2008

ASSIM 'E VISTO O NOSSO PRESIDENTE

Guebuza family has finger in every pie

After he became President at the beginning of 2005 Armando Guebuza, did not stop developing his portfolio of investments. Better still, he and his family have since then expanded their business network via various companies in which they own stakes. The firm Moçambique Gestores (MG), of which the President is one of the shareholders, is present in the Maputo Port Development Company (MPDC) which runs the capital’s port. 

Meanwhile Guebuza’s family company Focus 21 owns a stake in the navigation company Navique, is a partner in the South African energy company Sasol and is involved in the bank BMI. Furthermore, the President is also a shareholder in the mobile telephone company Vodacom via his stake in Intelec Holdings. He can also be found in Moçambique Capitais, a firm which has just launched the Moza Banco in partnership with Geocapital owned by the Macao magnate Stanley Ho.


Guebuza’s new partners. Intelec Holdings, the company chaired by the head of theConfederaçao das Associaçoes Economicas (CTA, employers’ association)Salimo Amad Abdula, is to go into exploring for chalk and other ore with the aim of opening a cement works. To this end, it is participating in the creation at the beginning of May in Elephant Cement Moçambique Lda (ECM) with a 15% stake. The leading shareholder in ECM, with 85%, is Shree Cement Ltd, an Indian cement manufacturer represented in this transaction by its financial director, Ashok BhandariIntelec Holdings has at the same time launched into another project. Represented by its general manager Tomas Arone Monjane, it has founded a consulting and expertise company called Intelec Business Advisory & Consulting Lda (Intelec B.A.C) jointly with a Mozambican resident in Cape Town (South Africa), Tania Romana Matsinhe (the company’s CEO, with a 35% stake), Catarina Mario Dimande from Maputo (12.5%) and Armando Ndambi Guebuza (12.5%). The latter is none other than one of President Geubuza’s sons who has studied in South Africa. Intelec BAC will carry out market studies and reports on the business environment for its clients.

All the family is involved. Ndambi Guebuza is already a shareholder, as are his brother, his two sisters and his parents, in the family firm Focus 21. His sister Valentina Guebuza owns a small minority (2.5%) in Beira Grain Terminal SA, a company created at the beginning of 2007 to operate the cereals terminal at the port of Beira (ION 1209), while the Mozambican President’s eldest daughter, Norah Armando Guebuza, has joined forces with Zimbabweans and Mozambicans to launch the firm MBT Construçoes Lda, specialised in construction and public works, at the beginning of the year. She is married to the Mozambican Tendai Mavhunga, who for his part is in partnership with Miguel Nhaca Guebuza, one of the Mozambican President’s brothers, in a construction industry consulting company Englob-Consultores Lda (ION 1200)

This is the same Miguel Guebuza who has just been appointed to the board of the new firmMozambique Power Industries, which will manufacture and market electricity transformers. This company’s shareholders are Wilhelm François JacobsMunir Abdul SacoorMarilia Americo Munguambe and Christoffel Cornelius Koch. For her part, Ana Maria Dai, the twin sister of Mozambican First Lady Maria da Luz Dai Guebuza, is a shareholder in Macequece Lda alongside another member of her family, José Eduardo Dai. Her brother, Tobias Dai, is a former Defence Minister. Last year, Macequece created the mining company Mozambique Natural Resources Corp in partnership with International Minerva Resources BV.

Discreet withdrawal. Nevertheless, President Guebuza has just sold his stakes in two companies. In mid-April he withdrew from Mavimbi Lda (fishing) whose ownership is now split betweenMoises Rafael Massinga (38%) and a consortium whose members have not been revealed. Similarly, Mozambique Gestores and the former Minister Teodato Hunguana have sold their stakes in Sociedade de Aguas de Moçambique Lda to Joao Manuel Prezado Francisco andTotem Investments whose shareholders are not known since this company was created before the law obliging their disclosure. The time has come for Guebuza to become more discreet in business!

INDIAN OCEAN NEWSLETTER - 31.05.2008

7 comentários:

Anónimo disse...

Any idea where the money comes from?

Custódio Duma disse...

Em mocambique, o dinheiro vem de dois lugares:
Impostos do povo;
Cooperacao externa.

Deve ser de algum desses lugares...

umBhalane disse...

Custódio Duma

Compreendo.

Permita-me, então, uma sugestão:

Cooperação interna;
Cooperação externa.

Explicação lata, blindada.

Abraço.

Anónimo disse...

olá amigo,
peço-te para k reflitas sobre as seguintes palavras:

"nenhum céu é céu que para os outros seja inferno. Nenhum inferno é inferno que para os outros seja céu. E como o inferno de alguns é frequentemente o céu de outros, e o céu de alguns é muitas vezes o inferno de outros, então céu e inferno não constituem estados passageiros e contraditórios, mas sim estágios pelos quais ambos têm de passar..."

Custódio, não tarda muito para que os que estão passando pela experiência de estar a viver no céu hoje, estejam amanhã passando pela experiência do inferno, pois, de tanta riqueza acumulada, estarão vivendo em Bunkers, sem puderem usufruir de suas escandalosas riquezas.E isso sim, ser´o verdadeiro inferno...

#extraí o texto do meu livro de cabeceira predilecto.

Um abraço,da amiga fã.

Nelson disse...

Ouch!!!Fiquei com a sensação(espero estar errado) que devemos nos calar diante dos "céus" dos outros mesmo que sejam edificados com os nossos "infernos". Devemos nos calar esperando que os nossos(ceus) cheguem. Esperando que os seus(infernos) cheguem. Esperando que nos sejam invertidos os papeis.

Custódio Duma disse...

Ola,

perdao por nao dar o meu feedback a tempo e hora
estou em outra cidade do brasil e aqui com mais dificuldade de net.

Mas quero agradecer a sugestao de Umbhalane, cooperacao interna e externa, nao ha melhor classificacao, embora devamos colocar cooperacao entre aspas.

Os ceus e os infernos, materia muito dificil, mas quero agradecer a reflexao que coloca tanto o ceu como o inferno na teoria da relatividade trazida por Albert Einsten. Na verdade nunca gostei da ideia absluta do ceu e inferno que intensifica a exploracao fazendo o povo acreditar que no ceu sera melhor.

Outra coisa que eu acredito 'e que esses que hoje esta no ceu, nao sairao de la se os que estao no inferno nao os tirarem. 'E a revolucao que modifica as coisas, a revolucao vem pela consciencia de que o soberano ja nao prossegue os fins a para que foi colocado.

Parece que neste caso concreto a democracia serve somente para legitimar a tirania. Sera o caso para perguntar se na esta na altura de pensar em outras formas de Estado e de Governo.

Nelson, pelo contrario, eu penso que a ideia 'e de que enquanto os que estao no ceu pensam que estao vivedo a eternidade, os que estao no inferno devem acreditar que podem retira-los de la. Com todo o cuidado de tambem nao se transformarem em burgueses.

Optima semana a todos

guanazi disse...

Oi amigo nelsom,
de facto, está equivocado amigo. em momento algum o texto deixa transparecer, que os que estão passando pela experiência de estar a viver o inferno, deverão permanecer de mãos atadas á espera do momento certo para bicarem os despojos dos outros. reflicta melhor sobre o texto e aprenda a decifrar o que não fica impresso em palavras, o que fica no ar, nas entrelinhas...

Pra o amigo custódio, tb discordo da concepção cristã de inferno. pra mim não é um lugar físico, mas um estado do "SER" que o homem poderá experimentar aqui na terra. e necessariamente experimenta, só que difere de indivíduo pra indivíduo. a experiência é individual.repare bem nestas palavras: " nenhum céu é céu que para os outros seja inferno".
não quererá isto dizer que ninguém vive em harmonia, mesmo mergulhado em um mar de riquezas se á sua volta se vive na miséria? os ricos que vivem rodeados de miséria não estarão experimentando o inferno quando vivem enclausurados em suas mansões e mal podem ver a luz do sol?será por vontade própria que se confinarão em bunkers?não. a miséria os empurará pra lá.

pra mim, continuam válidas as constatacões de Alexis de Tocqueville que em 1847´já dizia o seguinte: " a revolução francesa que aboliu todos os privilégios e destruíu os direitos exclusivos, deixou, todavia, subsistir um, o de propriedade(...). dentro em pouco,é entre os que têm posses e os que não têm que se estabalecerá a luta política, o grande campo de batalha será a propriedade...". temos o exemplo do 5 de fevereiro.

um abraço pra vós.

saio do anonimato, o meu pseudónimo é Guanazi, meu nome tradicional.