segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Os Fenómenos MDM, Anónimos e Falsa Identidade

Recentemente, numa abordagem televisiva, falei ao lado de Máximo Dias que o homem moçambicano ainda não é livre. Ele contestou argumentando que se eu podia falar as minhas ideias normalmente então era contraditório afirmar que não sou livre. Mas o que eu queria dizer, na verdade, era que a liberdade pressupõe não só poder falar livremente, mas também não ser perseguido, punido, rejeitado ou condenado só por ter falado!
Isso não significa que devemos falar sem respeitar o nome, a honra e outros direitos da personalidade das pessoas. Significa que dentro daquilo que são os limites da lei, da ética e da moral e se calhar também, dentro dos limites do senso comum, cada um deve ser livre de expressar-se livremente sem medo de represálias. E quanto a isso, acho que o homem moçambicano ainda não é livre. Digo o homem e a mulher, porque as mulheres também falam, e como!
Levanto esta questão querendo trazer dois conceitos muito evidentes nestes últimos dias. O primeiro é o fenómeno MDM, partido político fundado por Daviz Simango Presidente do Conselho Municipal da Beira, também candidato à presidência da república. O segundo fenómeno é a proliferação de intelectuais, comentadores e analistas anónimos ou usando falsa identidade.
Porquê MDM? MDM porque desde que a questão CNE/CC versus partidos excluídos começou, os argumentos foram virados em torno do MDM. A favor ou contra o MDM. Ou seja, a decisão da CNE visava excluir MDM, os Embaixadores do G19 incluindo o representante dos EUA que foram ao CNE visavam apoiar o MDM, os analistas que criticam a posição da CNE/CC são do MDM, os que concordam com CNE/CC estão contra o MDM.Tudo é por causa do MDM. Ou está contra ou está a favor, mas do MDM. Há aqui uma “emideimizacao” da discussão, na medida em que, quem não concorda com a decisão da CNE/CC, mas porque é da Frelimo ou da Renamo, para que não seja conotado como pró MDM prefere calar, falar barato, usar nome falso ou ser anónimo.
Aquele que preferir manter a sua postura vertical e continuar a analisar os factos com o mínimo de lucidez que a sua mente recomenda para o efeito é imediatamente encaminhado para a fileira do MDM. Não que seja mau ser do MDM, mas que cada um seja livre de dizer que é membro, simpatizante ou somente amigo e não sê-lo por ser empurrado. O mesmo vale para quem quer ser da Frelimo ou da Renamo ou mesmo de qualquer outro partido, que o seja livremente.
Noto com insistência que as pessoas para debaterem certos assuntos com gente devidamente identificada, aparecem a assinar como anónimos. Minha preocupação não é porque a gente não pode identificar o tal, hoje em dia podemos perseguir a partir do mail enviado a identidade do anónimo. Me preocupa a falta de ética desses amigos e honestidade desses amigos que vem como anónimos para discutir com pessoas devidamente identificadas e conhecidas.
Quem anda nos fóruns e grupos da internet. Quem anda nas discussões, reuniões e acompanhamos o debate nacional, sabe, mesmo que de longe quem é quem. Conhece o discurso das pessoas e sabe que palavras cada um usa para se expressar, dai que, figuras como Galo na Forja, Galo Forjado, Jaluladine Ossufo entre outros, são extremamente conhecidas. Mesmo quando daí fogem e procuram outros nomes, identidades e títulos académicos.
É ridículo meus amigos, tentar tapar o sol com a peneira ou simplesmente tentar embrulhar a cabeça do cabrito ou do boi num saco plástico, o chifre sempre vai sair e vamos saber o que se tenta esconder. Como é que pessoas tão sábias, a avaliar pelos seus comentários, aparecem com máscaras para debater ideias com gente devidamente identificada e localizada? É injusto, é cobardia, é desonesto e acima de tudo é sinal de má educação.
Essas pessoas não são livres, coitadas delas. Não tem espaço para discutirem livremente suas ideias. Ou porque não querem ser conotados como estando contra os seus partidos, superiores ou amigos e consequentemente, e na sequência, emideimizados! Ou então agem desse jeito porque não estão seguros das suas opiniões.
Como é possível que nomes nunca antes escutados ou conhecidos em determinados fóruns apareçam do nada e já entram no fio de pensamento que se está a discutir há tempos trazendo opiniões, criticas e sugestões e inclusive citando outros comentários anteriores a sua aparição? A resposta é única: essas pessoas sempre estiveram connosco, comeram connosco, conversaram connosco e fazem parte do nosso círculo de debate e discussão, somente arranjaram um nome para servir de testa de ferro. Isso é falta de liberdade, isso é cobardia, é baixeza, mediocridade e falta de educação.
Acho que a ninguém deve ser proibido o uso de pseudónimos ou acrónimos, mas é injusto usá-los só para atacar uns e despi-los quando é para elogiar os outros. Ou seja, elogiar se identificando para receber os ganhos e atacar escondido para não ser conhecido. Normalmente essa postura visa comer dos dois lados. Isso é ganância, é ambição e é maldade. Mas não vai longe, porque a ganância, a ambição e a maldade, todas têm pernas curtas e cedo serão cortadas.
Lembro-me que quando Chissano chamou juristas para conversar e em vez disso fez campanha. Alice Mabota criticou alguns pontos do partido do ex Presidente da Republica, foi a única a levantar a voz nesse sentido, o resto foi ao micro garantir o seu voto a proposta de Chissano. Ate aqui nada mau. O mal acontece no fim, quando todos saímos, os juristas vinham à Alice parabenizar e dizer que ela tinha falado bem e que era isso mesmo que eles queriam dizer. Eu pergunto: porque não disseram lá na sala quando pegaram o micro?
O pior de tudo é que os meus amigos, jovens que entram nessa, não estão a perceber que estão sendo vítimas de aproveitamento político. Estamos em fase de campanha e todos querem ter os melhores e os piores do seu lado. Acho que não há mal nenhum em as pessoas poderem alinhar com determinado partido. O mal está em alinhar de forma ingénua e sem perceber que se está a ser vítima de aproveitamento político. Os partidos passam mas as pessoas continuam.
Isso, só será percebido depois das eleições quando tanto a Frelimo, a Renamo e o MDM se despirem da campanha, receberem os resultados e se arrumarem para a etapa seguinte. Será tudo mais claro porque uns serão galardoados e outros esquecidos. Não é esta a primeira vez que acontecem eleições neste país. E se isso acontecer, vamos ver o novo número de frustrados e desnorteados.
Porque? Tudo isso porque o homem e a mulher moçambicanos ainda não são livres. Se o fossem, não estariam a busca de artimanhas para deixarem a sua opinião livremente. Quem está no poder tem limitações de criticar o poder e quem está na oposição tem limitações de criticar a oposição. Essa é a causa de toda a palhaçada de que somos obrigados a assistir.

37 comentários:

Anónimo disse...

Senhor Duma,
Apreciei o teu artigo, mas permita-me que discorde com alguns aspectos:
Primeiro, se o debate é suficientemente sério, não vejo com muito alarido alguém apresentar-se como anónimo ou com pseudónimo ou acrónimo. Porque o mais interessante é a ideia da pessoa, e não a pessoa em si. Hoje é possível enviar um texto pela internet e todo o mundo fazer comentários sobre as ideias nela expostas, sem nunca conhecerem o autor. Devemos começar a conviver com isso.
Segundo, parte do teu texto já responde a tua pergunta: as pessoas, muitas, têm medo de serem perseguidas, punidas, rejeitadas ou condenadas só por terem falado. Para mim tudo está ligado ao nosso passado colonial, ao do partido único, e, actualmente, a (in)segurança que a justiça (não)oferece ao cidadão.
Terceiro, devemos iniciar um debate sério sobre as reais causas, motivações e razões de muitas pessoas esconderem-se atrás do anonimato ou de pseudónimos em Moçambique, nos blogues e nos orgãos de comunicação. Essa pesquisa deve ser sincrónica e diacrónica, e fazer uma correlação entre o fenómeno em estudo e a percepção dos cidadãos sobre a confiaça na garantia dos seus direitos. Como hipótese, vou arriscar que há-de encontrar uma signifcativa correlação entre as duas variáveis. E a LDH pode liderar esse estudo. Por isso, as razões que o Duma sugere para este fenómeno são apenas uma fracção de uma lista bem grande.
Quarto, porque razão os tais “verdadeiros intelectuais” não se fazem ao debate? Para mim, antes que apareçam, não os tomo por intelectuais. Por exemplo, no blogue do Presidente Armando Guebuza há lá um texto sobre o impacto dos 7 milhões nos distritos. Agora, onde andam os nossos economistas, extensionistas, especialistas em administração pública para repisarem ou rebaterem os pontos nele presentes?
Sugiro que lançemos um anúncio nos jornais: “Há vagas para intelectuais em Moçambique, porque os que podem ocupa-lá não a querem”.
Até breve
Teo Mambo (teomambo@ymail.com)

Custódio Duma disse...

Caro Teo

Concordo plenamente e acho que deixou uma boa sugestao.

Mesmo assim, acho importante combatermos o medo que faz com que pessoas aparentemente lúcidas se escondam na máscara do medo e da cobardia.

Eu sou contra e me propuz a identificar-me, mesmo correndo os riscos que corro!

estamos juntos nessa...

Reflectindo disse...

Mano Duma

Excelente artigo e boa provocacão. Porém digo o mesmo que o Teo escreveu. Precisamos urgentemente de analisar as causas do uso do anonimato em debates.
Seja por que motivo for, não concordo quando o anonimato é usado para se proferirem insultos e ataques pessoais a pessoas devidamente identificadas. Porém, para evitar perseguições, punição, rejeição no grupo em que a pessoa pertence penso ser aconselhável o uso de anonimato. Lembremo-nos que o voto secreto tem as mesmas motivacões. O Teo mencionou como sendo os factos históricos e a segurança que a nossa justiça não oferece ao cidadão. Mas não te esqueça do que acontece na função pública. Em certos casos as perseguições e punições estendem-se aos familiares e amigos ou evita-se que isso aconteça.
Os factos históricos continuam a fazer-nos de desonestos. A nossa sociedade parece estar construida desta forma e não para sermos honestos e senhores da nossa palavra. Esse não é o problema apenas dos anónimos, mas de mesmo aqueles identificados que em debates mostram mentira grossa, pois que não dizem no que acreditam, mas o que satisfaz a outrem.
Na nossa sociedade promove-se a desonestidade. A título de exemplo, está esse encontro de juristas com Joaquim Chissano o mesmo que ele fez na AEU na UEM.
Mas seja como for, temos que ter ponto de saída porque as razões do anonimato e à falta de honestidade em Moçambique não nada boas. Por detras do anonimato pode existir uma revolta em estado latente.

Um abraço

Custódio Duma disse...

Verdade mano...gostei muito desta ultima posicao sua...acho que podiamos partir dela..."por detras do anonimato pode existir uma revolta em estado latente".

é muito revolucionario pensar numa revolta a nascer ou a sobreviver latente!

Jose Cossa disse...

Duma

Excelente reflexão, fiquei na expectativa de que denunciasses os Galos Forjados, os Galos na Forja e os Jalauldinos Ussufos, e os Reflectindos, e todos outros pseudónimos, dizendo quem são na verdade, pese embora eu concorde com os commentarios acima expostos que defendem as causas do anonimato. Denuncie-os Duma. Tenho uma enorme curiosidade em saber quem são estes anónimos. Estarás a fazer um grande acto de coragem à sociedade.

José Cossa

Custódio Duma disse...

Thanks...

Me aguarde meu caro José Cossa!

Bom dia

Nobre disse...

Amigos

Nós já tinhamos convidado várias vezes os anónimos a se apresentarem e a dizer quem é quem na verdade. Fizemo-lo em relação a muitos outros. por exemplo quem é Teo Mambo ? Quem é José Cossa ? Quem é o Reflectindo ? Porque é que dizem qual é a sua identidade ? Ainda bem que este tema foi lançado porque interessa-nos, Saudamos a coragem do Custodio Duma em iniciar o tema.
Pensamos que o anonimato não deve ser apenas agradável quando nos favorece. ou aceitamos ou não aceitamos. Na blogosfera há muitos anónimos, ou aceitamos todos ou não aceitamos nenhuns.

Nobre

Egídio Vaz disse...

Excelente provocação.
Abraços

amosse macamo disse...

nao permitir que oi homem livre use anonimato e/ou pseudonimos, heteronimos e afins nao significaria coarctar a sua liberdade? voltarei, deixe-me sim consumir uma vez mais o seu texto. ka ka ka ka ka ka

Teo Mamo disse...

Amigo Nobre
Meu nome e mesmo esse: Teo Mambo. E um encurtamento de Teodosio Antonio Mambo.
Devemos ver o nosso pais com olhos de boa intencao. Ha nomes que na minha regiao nao significam nada, mas existem-nos em outras regioes.
No debate de anomimos, pseodonimos, devemos ter o cuidado de salvaguardar isso.
Senao, vamos discutir outras coisas.

Teo Mambo disse...

Respeitável Duma,
Eu continuo a pensar que “nomes”, ou “verdadeira identidade” de quem faz um comentário é o de menos. Para mim, o que temos que discutir é como acabar com insultos, falta de educação, agressão verbal, e muitos outros males de que enfermam os nossos comentários na bloguesfera e em outros canais. Há debates em blogues que mais se parecem com uma luta campal do século XV! Uma vergonha autêntica, a avaliar pelo nível e tom das agressões, e a avaliar pelos “rótulos” que qualquer comentário contrário, recebe!
Julgo que um bom comentário tanto pode ser feito a descoberto, ou a coberto de anonimato. O mesmo se pode dizer de comentários insultuosos, preconceituosos, ou expressivos de mero fanatismo. Ou seja, revelar uma indentidade não conduz, necessariamente, a que evitemos o mal que queremos erradicar. Assim, para mim, o mais importante não é acabar com “anónimos”, mas sim elevar a ética nos nossos debates. Convidar os comentadores a expressarem ideias, sem agredir, insultar ou rotular o outrem.
Até porque a obrigação de nos identificarmos tal e qual está no “B.I”, pode nos levar a dois caminhos complicados: um, o de se desconfiar que o nome do comentador não é verdadeiro; e o outro, o de “excluir” muitos que há muito, não usam os seus nomes “do B.I”, como (espero não ofender a ninguém) Ungulane Ba Ka Khosa, Mia Couto, e fora do país, nomes como Pepetela, etc.
É a minha ideia.
Teo Mambo (teomambo@ymail.com)

Nero Kalashnikov disse...

Mano Duma

Seria uma boa ideia saber quem são os mal educados, como o Galo na Forja, que usou este pseudónimo para me insultar nas páginas centrais do jornal ZAMBEZE.

Mas, sinceramente, não gostaria que isso acontecesse porque poderia constituir um revês na nossa frágil democracia. Ainda há muita intolerância política cá na nossa terra.

Deixe os anónimos escudarem-se nas suas alcunhas. Pelo menos por detrás delas eles se sentem livres.

Eu nem quero saber quem é o Galo na Forja. Aliás, ele, depois de eu ter manifestado o meu desagrado por ter sido mal educado comigo parou de me insultar, embora continue meu grande admirador.

Há três semanas que não há jornal ZAMBEZE em que o meu nome NKUTUMULA não aparece em letras vivas e logo onde: nas páginas centrais.

Por vezes os anónimos nos ajudam a estar no centro das atenções. O que é algo positivo. Se ele usasse o seu próprio nome, talvez nunca teria manifestado o seu amor por mim!

Um abraço mano

Custódio Duma disse...

Meus manos, eu nao sei se nao consegui deixar claro que a minha ideia nao é acabar com os anónimos ou recusar as suas opinioes.

O que procurei dizer era que em situacoes iguais precisamos tratamento igual e em situacoes diferentes tratamentos diferentes.

Que cada um seja anónimo quando quiser e isso nao tem nada a ver com a discussao. Só nao acho que devo legitimar ou aceitar um ou mais comentario de anónimos: O QUE DE GRAÇA SE DIZ, DE GRAÇA SE NEGA.

Nao acho justo que os anónimos e os de falsa identidade aparecam para insultar, sujar o nome e destrocer a verdade de factos e nós sejamos obrigados a aceitar essas opinioes no debate.

Nao acho que o anónimo e o de falsa identidade tenha razao, seja privilegiado, seja louvado e até premiado. Na verdade ele nao existe, ele mesmo tem medo das suas ideias, esconde-se porque nao pode suportar as consequencias das suas posicoes e porque eu ou outro leitor precisamos leva-lo como parte do debate se ele mesmo nao se afirma e nao está seguro?

Agora, nem todo que tem nome estranho em relacao às nossas percepcoes usa uma falsa identidade. Pois a falsa identidade pode ser usada de varias formas, outras inclusive com conteudo criminoso quando alguem entra em determinada discussao, usando nome de alguem existente e se faz passar por ela.

Eu acho que para questoes sérias...opinao de anónimo nao pode ser escrita por falta de seriedade e relevancia.

Jose Cossa disse...

Dr Duma,

Numa passagem do teu post escreveste o seguinte:
" Quem anda nos fóruns e grupos da internet. Quem anda nas discussões, reuniões e acompanhamos o debate nacional, sabe, mesmo que de longe quem é quem. Conhece o discurso das pessoas e sabe que palavras cada um usa para se expressar, dai que, figuras como Galo na Forja, Galo Forjado, Jaluladine Ossufo entre outros, são extremamente conhecidas. Mesmo quando daí fogem e procuram outros nomes, identidades e títulos académicos.""

Estas palavras contunuam a despertar o meu interesse. Quem são na verdade Galo na Forja e Galo Forjado, Jalauldino Ossufo, Reflectindo, Duma seja herói, denuncie.

Basilio Muhate disse...

Wena Duma
Tás a levantar poeira ilustre, vais aguentar ? hehehe...brincadeira, parabéns pelo tema.

Esta coisa dos anonimatos e dos pseudónimos é engraçada porque nós só os aceitamos quando defendem os nossos interesses, mas quando defendem outrem já os colocamos em causa.
Por exemplo, a nível político, até há alguns meses atrás havia muitos anónimos a postarem favoravelmente à renamo e ao mdm e não se colocava em causa o anonimato.
Esta poeira começa a ganhar espaço no debate quando surgem os anónimos pro-governo ou pró-frelimo.
Mas afinal o que é que motiva as pessoas, tanto de um ou de outro lado, a se apresentarem no anonimato ? será por temerem represálias ? que tipo de represálias ? expulsão do posto de trabalho ? por aquilo que leio noto que muitos anónimos são certamente pessoas bem formadas e com elevadas capacidades de produção intelectual.
Ou será que outros anónimos são servos do sistema que procuram um lugar ao céu ? Mas ai não deviam usar o anonimato porque não permite que se gabem do seu trabalho publicamente.

Não sei se devo concordar contigo que o facto de alguem usar um pseudónimo significa que esteja a ser desonesto, como disse um comentador aqui, ou aceitamos a todos ou não aceitamos nenhum porque senão esta questão fica uma discussão relativa e demasiadamente filosófica.

Abraço

Ps: Duma hoje temos uma Frelimo Party no COCONUTS 23H com os melhores DJ´s da praça. You and all we are invited to join us

Custódio Duma disse...

José Cossa, acho que já deves ter percebido que quando nao quero estar numa situacao de anonimo ou com identidade falsa simplesmente nao comento e nao digo nada.

Há várias materias em discussao agoram, mas simplesmente nao coloco a minha opiniao, até chegar o memento em que a minha conviccao está cimentada.

se os tais anonimos e de identidade falsa nao se identificarem, eu acabarei identificando-os.

Porque muitos aqui falam de liberdade, mas liberdade nao pode ser para ofender os outros, insultar ou manchar a imagem das pessoas. Acho que mais do que liberdade, é fuga de responsabilidade, porque eles sabem que nao seremos capazes de responsabilizar anonimos.

É injustto e desonesto insultar escondido. porque nao quer ser responsavel. Quem tem tomates insulta cara a cara.

Imagine que o Nero queira responsabilizar o tal galo que passou a admira-lhe e a amar-lhe. Onde é que o vai encontrar? No Jornal?

Agora, outro assunto tem a ver com a partidarizacao das opinioes. penso que sou politico mas nao partidario. Esses que se escondem no anonimato para irem contra ou a favor da Frelimo, MDM, Renamo etc nao sei o que pensam..

nao sei como explicar a posicao de basilio em relacao ao debate sobre os anonimatos com a entrada de anonimos pro frelimo e contra a oposicao. Se muitos anonimos, de acordo com as postagens anteriores se escondem porque tem medo de represalias pelo partido no poder, pelos chefes na funcao pública, poque ficariam no anonimato quando os estao a elogiar? A dada altura pensei que as pessoas ficam no anonimato com medo da frelimo. Estou a ver que tambem tem medo da oposicao.

Que país vamos construir com base no medo!

Nada contra essa liberdade, mas nao vejo a razao de discutirmos a nossa vida dentro de uma caverna. eu simplesmente nao dou a minha opiniao quando a discussao é com anonimos, galos, jalulidines, etc!

E se continuarem a insultar as pessoas, sabemos onde pega-los para a PGR os acusar!

amosse macamo disse...

Duma salve a blogosfera desta "escoria", limpe a casa, denuncie,a ver se iniciamos uma nova discussao: as pessoas que escreveram.
ja agora, nao so os anonimos que insultam, difamam.
os insultos nao compensam, feitos por quem quer que seja.
denuncie Duma!

Custódio Duma disse...

Macamo....veja bem!!!???? Eu nao estou a brincar quando digo que os vou denunciar!

Cada e-mail encaminhado vem de um computador identificado, conectado a uma linha de net e um servidor.
Sendo que, muitas vezes os anonimos tambem assinam com seus verdadeiros nomes, mesmo que o mesmo PC seja usado por mais pessoas sempre se saberá quem é quem.

Precisamos acabar com os espertos!

amosse macamo disse...

Amigo Duma
(Macamo...veja bem!!!???)Ages como se tivesses um trunfo na mão. e os trunfos podem nao ser trunfos. Vamos agora ao concreto: quem o disse que quem usa o anonimato abandona a sua ideia? Quem o disse que quem usa nome diverso do que é conhecido, significa que se está a esconder?
Esconde-se de quem?
Ninguém neste mundo pode pensar a minha ideia, ou melhor, mesmo que torpe e ou mais acertada, a minha ideia, será sepre minha porque pensada à minha maneira. O anónimo pode recolher todas as suas ideias e defendé-las à qualquer altura, porque suas, porque paridas por este. Já o que não é anónimo, não se pode apoderar da ideia daquele, porque ideia daquele.
O que usa nome diverso, tem sempre motivos para o fazer e ninguém pode afirmar e sem os conhecer, se esses motivos o prejudicam ou o abonam e até pode não ter motivo!
Quando dizes acima que “ Meus manos, eu nao sei se nao consegui deixar claro que a minha ideia nao é acabar com os anónimos ou recusar as suas opinioes”, percebo que o amigo Duma pede para ser ententido, no entanto, parece que lhe custa entender os outros.
Em democracia, há espaço até para os cobardes amigo Duma.
E voltemos a vaca quente: denuncie. Sim, denuncie.

Custódio Duma disse...

Se há lugar para os cobardes porque os devo denunciar?

O que eu gostaria era de dicutir ideias com pessoas e nao com fantasmas!

Ximbitane disse...

Ops! E esta agora? Pobre de mim que usa um pseudonimo apenas porque se sente confortavel e se identifica com isso!!!

Bom, pessoalmente, respeito a todos, anonimos, pseudonominados e nominados. Realmente é chato quando alguns aproveitam-se das 3 possibilidades nominais para lançar farpas para os outros.

As vezes fica até dificil responder a tantos anonimos, o Nero que o diga... Ao invés de desmascarar quem quer ter mascara, devia é pedir a essas pessoas que adoptem um nome com o qual se podem identificar. Mas se os querem despir, tudo bem... Eu ja vesti umas ceroulas por baixo do boubou, na va o Diabo tece-las

Chacate Joaquim disse...

Para bens DUMA,

(In)Felizmente eu não vejo a questão dos anonimatos ou pseudos nesse ângulo de insultos porque o insulto tem uma dimensão muito singular não obstante ela promiscuir os involvidos. ora, na blogsfera o anonimato está mesmo relacionado com a limitação da liberdade.porque já se e esta-se a construir a ideia de que quem critica é inimigo por isso são poucas obras nas nossas prateleiras que questionão o poder ou taxativamente não existem, vejam por exemplo as universidades tem um dos papeis a formação da massa crítica do País mas os Reitores quando aparecem é só para defender o Governo! Lourenço do Rosário alguns já o conotáva como da oposição por causa do MARP! portanto, eu acho que para isto terminar temos que avançar logo sem receio para limitação do poder não o único Chefe ser Chefe de tudo as instituições e os HOMENS precisão de autonomia para viverem felizes. Agora, se continuarmos a dizer que os que estão neste nível de vida levarão 500 anos para tal então que esperemos sentados.

Noa Iancio disse...

A ideia do anonimato/pseudonimato no debate publico (internet/jornais/debates televisivos ect) tem duas vertentes. Uma que acho que deve ser aposterior a sua analise que a dos que a usam para fins de desfazer ou manchar a imagem de outrem, e a segunda que julgo ser de interesse nacional, de cidadados comuns que sentem-se mais confortaveis quando se expressam no anonimato.

De forma geral, e sempre um debate necessario.

Como sempre escrevi, de bem ou de mal,

Noa Inacio

amosse macamo disse...

os fantasmas podem estar na sua cabeca amigo Duma. gostei dessa de respeitares os cobardes. ka ka ka ka ka ka, bom fim de semana meu cota, ainda te espero se 'e que j'a voltaste do reino animal(krueger). ate

Custódio Duma disse...

Amigo Macamo, a minha cabeca tem um monte de fantasmas é por isso mesmo que os apresento.

Kruger foi super e nos vemos com certeza. Estou a caminho de xai xai, sendo que nem poderei aceitar o convite do Basilio para a festa de hoje a noite!

Ximbitane...acabas de apresentar um dado muito interessante: os pseudónimos de gente que nao se está escondendo, teu caso, caso do Nero, caso de Nyikiwa, Yndonga e outros. Eu mesmo, tenho usado o pseudo Nesta. Esta nao é a questao. A questao é: a Ximbitane inventar e se esconder numa máscara para atacar e nao ser responsavel.

Chacate, tens toda a razao! É tudo uma questao de medo, mas tambem de cobardia! Na verdade o que eu repudio é a falta de verticalidade. dar uma opiniao contrária significa tudo e acima disso está o facto de cada um sentir-se confortavel para dizer o que acha sem ser condenado ou rotulado. É o que o Noa levanta. Tudo se interliga.

Continua a minha pergunta: que país queremos construir com medrosos, cobardes e anónimos?

Alguem quer insistir em denunciar, a questao nao é denunciar, mas mostarar que as vezes, o anonimato é semelhante ao truque da Avestruz, que escondendo a cabeca pensa que nao esta sendo visto!

Bom final de semana a todos e a todas...

Guanazi disse...

Amigo,

por motivos vários tenho estado longe da blogosfera e assim continuarei por mais algum, mas isto cutucou-me. Não vou comentar mas permita-me compartilhar contigo e com os demais isto:

"Apenas a existência de uma argumentação, que não seja nem coerciva nem arbitrária, confere um sentido à liberdade humana, condição de exercício de uma escolha racional" (PRELMAN e TYTECA, 1996)

ABRAÇO

Basilio Muhate disse...

Prezado Duma

Os anónimos são-no por opção ou por conveniencia, não concordo que o sejam por medo deste ou daquele partido. Recorde-se que o blogger e Sociologo Carlos Serra, de tanto estar farto dos anónimos "mal educados" instituiu regras de comments no seu blogue. Agora ele escolhe os anónimos cujos posts devem seguir em frente, ao seu critério, independentemente se gostemos ou não.

Abraço

PS: Duma, diz-me lá, nem que seja em private, quem são o Galo na Forja e o Galo Forjado e o Jalauldino Issufo e o Reflectindo e outros que conheces. Despertaste-me a curiosidade mano....hehehe

Reflectindo disse...

Mano Duma

1. Notei uma coisa. Até ontem quando vim buscar este link, haviam apenas seis comentários e de lá para cá tiveste que trabalhar muito para dar feedback.

2. Acho que antes de discutirmos se deve-se ou não debater em anonimato, podia ser útil que cada um dissesse porque muitos optam por esta via? Eu e o Teo dissemos algo e eu espero comentários em torno disso. O anonimato em si é legal e julga-se a melhor maneira de um indivíduo expressar-se melhor. Vejamos o sufrágio universal com o voto secreto (X) de maneiras que não se possa identificar o eleitor. Este é anonimato e que por vezes até é complicado porque pode permitir fraudes e difícil fica como reclamar o X. Mas o melhor é proteger a pessoa humana de qualquer perseguicão. E pegando esta razão, fica quase claro do porque os juristas não quiseram revelar o seu sentido de voto. Pelo que entendo, Chissano havia pedido a revelacão do sentido de voto e os respectivos motivos. Apenas Alice Mabote estava pronta ao desafio. Vejam que nem os pros como o mano..., quiseram dizer algo e suponho ter sido para evitar que fossem vistos como escovadores.

3. Notaste mano que continuamos a nos interrogar pelos propósitos do anonimato? Veja que o José Cossa e Nobre apresentam-se anónimos e te provocam se podes identificá-los. Näo penso que Cossa e Nobre têm a mesma visão, mas ambos provocam da mesma maneira. Ah, isso de provocacão faz também o Amosse Macamo. Autorizo-te mano a dizer-lhes que de certa maneira conheces o Reflectindo que nem precisas de usar qualquer técnica para o identicar, mas NÃO és tu a lhes apresentar...

4. Basílio, não me conheces? Não há quem tenha te dito quem eu era no mínimo? Bom, estás mesmo muito preocupado pela minha pessoa? Porquê?

5. Caros, quem quiser me conhecer está a vontade em perguntar a mim próprio, desde que ele mesmo se identifique e me diga a razão pela qual ele ou ela quer me conhecer.

Abracos

Basilio Muhate disse...

Reflectindo

eu não sei quem é naverdade Galo na Forja, não conheço Galo Forjado, não conheço Jalauldino, não conheço Reflectindo. Gostaria de conhecer a todos na sua verdadeira identidade pois representam diferentes pessoas com visão, com pontos de vista e com algum tacto intelectual.
Tenho uma enorme curiosidade em saber quem são eles.

Não particularizes o debate reflectindo, muito menos pessoalizes, caro Reflectindo. eu não estou preocupado com a tua pessoa, não tenho razões para tal, estou curioso em saber quem tu és, quem são os Galos, quem é o Jalauldino e quem são outros anónimos que por aqui passam e deixam comentários.

Se eu não souber quem são também não me ralo, mas confesso que o DUMA despertou-me curiosidade.

Basílio

Antonio disse...

Estamos num País livre, cada um é livre de usar ou não o anonimato, desde que não insulte a ninguem.

Antonio Antique

Reflectindo disse...

Caro Basílio

Falei na minha pessoa, sim como Reflectindo. Já perguntaste isso a mim próprio e dei-te a resposta. Não foi? Mas sei muito mais da tua preocupacão. Que a minha resposta não havia te satisfeito e avançaste mais o que julgo que possa ter te satisfeito de alguma maneira. Conheceres-me profundamente é que terás sempre dificuldade já que nem os meus pais fazem, senão apenas até aos doze anos que vivi com eles.

Sempre que escreveres Reflectindo responderei por ele. Não me achas com o direito? Se não escrevesses Reflectindo eu não particularizaria.

A propósito, vens ou não para discutirmos sobre o PIB?

Reflectindo disse...

Mano Duma

Peco-te ajuda sobre um processo judicial sobre a falsificacão de assinatura

Custódio Duma disse...

Reflectindo e Basilio, levantaram pontos muito interessantes e com certeza deixarei brevemente o meu sentimento. tentarei tambem nao so dar a minha opiniao, mas responder algumas questoes que me foram colocadas directamente.

Estou numa correria de fim de semana que retirou um pouco a minha concentracao.

Basilio Muhate disse...

Duma

O fim de semana já se foi, continuo a aguardar pela tua opinião.

Um abraço

Custódio Duma disse...

Muhate...tentei calar-me, mas nao me deixaste...eis me aqui:

A primeira coisa que posso dizer é que conheco o Reflectindo e nao o considero anónimo. Nem a ele, nem a outros amigos que usam algum pseudonimo ou heteronimo.

Nao gostaria tb de abdicar da minha tese do medo....o medo existe sim, pode nao ser revelado, pode nao ser consciente e pode nao ser conhecido...mas há muitas experiencias que podem ser contadas de comportamentos influenciados pelo medo tanto dos que estao no poder como dos que estao na oposicao...sobre isso posso muito bem meber um copo contigo meu amigo e falarmos abertamente.

Acho que o professor carlos Serra é livre de escolher seus comentadores...eu ainda nao cheguei a esse ponto, mas nada me proibe. recentemente vi que o nero Kalashnicov proibiu em definitivo os anonimos...é tudo uma questao de escolha e motivos.


Basilio, se realmente for necessario, posso dizer-te quem sao. Mas se for necessario e se vc realmente nao os conhece porque estao todos os dias connosco. Alias, vc pode conhece-los usando outras vias, como por exemplo encontrando um tecnico qualificado na materia.

O que eu procurei deixar claro é que os que se escondem no anonimato da net para ofenderem os outros podem acordar na sala do tribunal.

Falando do tribunal...gostaria de dizer ao meu amigo Reflectindo que estou pronto para o tal processo, desde que combinemos os honorários...sabe como é a profissao liberal...vivemos disso!

GUANAZI...a citacao que trazes...faz me fundamentar melhor a liberdade do ser humano mocambicano, que ainda nao existe efectivamente na medida em que uma boa parte das suas argumentacoes, nao sao livres, mas coagidas ou ou arbitrarias....andaste sumida minha amiga! Temos muito que conversar...

Antonio...estas apoiado...é exactamente isso que eu procurei dizer!

Mano Reflectindo...nesse encontro com Chissano, Alice falou tudo que era necessario...e eu sai para ir dar aulas...nao era necessario perder meu pao para ficar a ouvir juristas (advogados, juizes e procuradoes) a oferecerem seu voto....mas quem queria afirmar o contrario fez questao de subir e repisar veementemente!

Antes que me perca na fala, deixe-me parar por aqui...

Hoje mesmo devio postar um texto sobre o Medo, O voto da Alice Mabota e o texto de Nkutumula...

Tomás Queface disse...

O Galo na Forja pelos vistos esta a fazer muitos inimigos. Mas o mais importante é que ele ja conquistou muitos fans. Sempre que compro o jornal Zambeze nas quintas a primeira coisa a fazer é procurar o artigo do Galo na Forja. Admira me muito a inteligencia dele, a sua filosofia, a maneira como fala. Ele ja eh um heroi. E quanto ao seu ao seu pseudonome, ele faz bem, pois se em algum momento revela-se a sua verdadeira identidade, se calhar ja o teriam calado. Continue a escrever Galo na Forja...

Custódio Duma disse...

Queface,

Concordo contigo...desde que esses nossos amigos nao andem escondidos só para insultar...
A revolucao nao é feita por anonimos...

Bom domingo!