quarta-feira, 22 de julho de 2009

Kayum Centre: O Mistério do Fogo



Domingo de madrugada, dizem ser por volta das quatro horas, pegou fogo o Kayum Centre uma das mais publicitadas lojas de electrodomésticos da Cidade de Maputo, ligada ao grupo MBS. A loja localiza-se na Karl Marx, próximo a casa onde eu moro.



Vi o fumo e fiquei preocupado, alias, os moradores do prédio em que se encaixa a loja também saíram a correr por temer maiores danos. O fogo mata e as vezes é impossível de para-lo só com água.



O corpo de bombeiros se fez presente, mas não conseguiu controlar a situação. Mais tarde, os donos da loja tiveram de chamar ou contratar o corpo de bombeiros da Mozal, localizada na Cidade da Matola para darem apoio.



Duas são as questões de fundo: primeiro, o fogo parte da cave da loja e os bombeiros não conseguem descobrir o foco e a sua causa; segundo, mais uma vez prova-se a incapacidade do nosso corpo de bombeiros em responder a situações concretas como essas em que vidas humanas e bens estão em perigo, seja por causa do fogo ou da água.



Pela gravidade do incêndio ou por outra qualquer razão, parece que cerca de quatro ministros do governo fizeram-se presente ao local, com maior destaque para o ministro das finanças que frisou a importância da loja para a economia nacional. Muito curioso o facto dos ministro se preocuparem tanto. Se o destaque fosse dado ao ministro das obras públicas, do interior ou da saúde, eu pensaria que a segurança das pessoas, a sua saúde e vida estavam na prioridade dos governantes. Mas são os impostos. Ou outra coisa.



Que fogo é esse que não mostra a sua causa? E os bombeiros foram unânimes em afirmar que o tal fogo era sem chama. É muito fumo, muito calor, mas sem chama e quase impossível desvendar a sua causa e sua origem. Pensei que os bombeiros fossem capazes de pelo menos inventarem o tipo de fogo pelo fumo ou pelo calor e cheiro. Mas nada.



Fico preocupado com a situação quando penso nos milhares de comerciantes que usam caves e armazéns no fundo dos prédios para guardarem seus produtos. Muitos deles desconhecidos e de origem também desconhecida. Alguns armazéns vieram mais tarde a revelar que ao invés de guardarem produtos daquelas lojas, eram inclusive fábricas de vários tipos de produtos. Alguns produtos proibidos.



Os jornalistas não ficaram atrás, começaram a dizer que os prejuízos calculavam-se em milhões de dólares e que o maior empreendimento de electrodomésticos do país estava desolado. Penso que mais historias ainda vão sair ao alto. Já que ninguém sabe o foco do fogo, porquê o Ministério Público e a Polícia de Investigação Criminal não entram no assunto e procuram saber? Se calhar a Kayum Centre foi vítima de sabotagem ou atentado?



Já que a loja contribui bastante para os impostos nacionais é importante que um inquérito seja feito e o público fique a saber a real razão do incêndio. Principalmente os moradores do prédio que ficaram com a luz e a agua cortadas durante tempos e tempos.



De todas as maneiras ficam as perguntas no ar. Algumas que ninguém vai conseguir perguntar e outras que ninguém vai conseguir responder. Eu moro no décimo segundo andar e na cave do prédio há armazéns de indianos e nigerianos. Conseguem agora perceber a minha preocupação?

3 comentários:

vania ngoque disse...

Amizade...
Este problema da SENSAP(Servico nacional de salvacao publica)ja e por nos conhecido, a falta de conhecimento da materia de explosoes e incendios, falta de pessoal qualificado e especializado, a falta de material para combate a explosoes e incendios,etc sao tantas deficiencias deste corpo de bombeiros. Nao se tem feito nenhum esforco de modo a melhorar estes servicos, talvez estejam a espera que pegue fogo o Palacio Presidencial ou a Assembleia da Republica, porque nao se explica que depois da onda de incendios na cidade e provincia de Maputo ainda tenhamos problemas desta natureza, em identificar o foco do incendio.

Nao estou em crer que o Ministro das Financas se fez presente ao local, sendo este um grande potencial de impostos, e mentira pois o grupo MBS sabemos todos que nao paga qualquer que seja o imposto, talvez o autarquico...apenas o ministro das financas era o que se encontrava em condicoes de se apresentar em pleno domingo.

As caves dos predios nao foram concebidas nem preparadas para serem armazens muito menos fabricas de qualquer que seja a dimensao. Sera que ha licenca para caves???

X!mb!t@nE disse...

Duma, o desfile ministerial foi patetico! Realmente o que mais importante do que uns rolos de capulana, fogoes, geleiras/ arcas frigorificas, ar-condicionados, telefones, ferros de engomar, fritadeiras electricas e um sem fim de quinquilharia electrica ardeu nesse incendio so de fumo e calor?

Alguem ter-se-a realmente preocupado com a integridade fisica dos moradores do prédio onde teve lugar o "evento"? Basta um corte de luz (por sinal benvindo) e agua para tamanho espectaculo? E o agora e o depois?

Custódio Duma disse...

Queridas,

O problema parece bem pequenino, mas eu aprendi a valorizar todo e qualquer incidente. É que, quando nao somos atentos, como dizem na rua, a onda nos leva.

Muita coisa está por explicar no tal incendio, entretanto acho que é preponderante o papel do Ministerio Publico e da PIC.

Nada contra o grupo e até me solidarizo com a Kayum pelos prejuizos, mas tem razao a Vania, caves nao sao armazens e muitos predios da nossa cidade estao a correr o mesmo perigo.

Vidas humanas em primeiro lugar. Penso que o nosso governo às vezes comete umas gafes imperdoaveis...

Thanks