terça-feira, 26 de junho de 2007

A Sub República de Moçambique

Sobre aquilo que todos sabem e ninguém quer fala

O belo Moçambique é um país que comporta um vastíssimo território. Tal território abriga mais de dezanove milhões de pessoas, (muito próximo de vinte milhões), onde mais de metade são, por um lado mulheres e por outro lado menores de idade. Para completar a imagem é importante referir que muito próximo de 70% vive nas zonas rurais, ou mais simplesmente no campo.
É portanto sobre essa parte que compõe os 70% que me proponho a fazer comentários e perguntas.
Tive por imperativos do trabalho a oportunidade de ficar na região norte do país, (incluindo Zambézia) durante um período próximo a quinze dias, tempo que para o bem do meu horizonte social ajudou a compreender a outra parte de Moçambique a que me propus chamar de “Sub República de Moçambique”.
Entendo uma “sub república” como aquela que estando no mesmo território chamado pelo nome de um determinado país corresponde a outra que pelas características que apresenta é inferior, é dependente e é muitas vezes a base ou o chão da república no verdadeiro sentido da palavra.
Para o caso de Moçambique, gostaria de definir a Sub República de Moçambique como aquela que é composta pelas pessoas que vivem nas zonas rurais ou no campo e é constituída por cerca de treze milhões e seiscentas mil pessoas que neste caso seriam os 70% da população total do país.
A República é uma comunidade política organizada, visa um interesse comum de todos os cidadãos e comporta um chefe de Estado que é eleito para um mandato temporário. Podemos chamar para estes comentários e perguntas os elementos do Estado para ajudar a nossa imagem de república, assim, a república comportaria também um povo, um território e um povo (obviamente).
A Sub República, seria neste caso, o conjunto do povo que mora em um território que embora esteja dentro do país é delimitado nas zonas rurais ou no campo e é assistido por um Governo que a medida que sai da cidade chega na Sub República totalmente enfraquecida.
A Sub República de Moçambique pode ser classificada partindo de duas perspectivas. Primeira: partindo da cidade para o campo; segunda: partindo de Maputo para as outras províncias. Ou seja, em Moçambique, a República é por um lado a cidade e o campo a Sub República e por outro lado Maputo é a República e o resto das províncias a Sub República.
Porque os motivos editoriais impedem os prolongamentos, prefiro e também por razões de síntese textual considerar somente a primeira perspectiva, ou seja a República de Moçambique Cidade e a Sub República de Moçambique Campo.
Fiquei na Sub República de Moçambique cerca de quinze dias e ai compreendi como as coisas funcionam. Fora os problemas óbvios como a falta de energia eléctrica, água potável, vias de acesso adequadas, transportes de passageiros com segurança, internet, hospitais, escolas próximas a povoação, hotel ou pensão com pelo menos rede mosquiteira, cabinas de telefones públicos, lugares de lazer e divertimento, bibliotecas, segurança, lojas com produtos de primeira necessidade, entre outros chamou atenção o seguinte:
A Sub República é composta por pessoas que na sua maioria não estão civilmente registas e poucas tem um bilhete de identidade. Ou seja, composta por pessoas que por questões de formalidade não podem exercer a sua cidadania e nem podem provar que são moçambicanas (pelo menos através de um papel formalmente válido e reconhecido);
A Sub República caracteriza-se no seu dia a dia por uma forte ausência de informação, ou porque os jornais nunca chegam (quando chegam são distribuídos nas repartições públicas) ou porque as pessoas não podem ler a língua oficial que é o português, ou então porque ainda não captam o sinal televisivo, que se é captado só existe para aquelas poucas pessoas que têm um aparelho chamado televisor.
As pessoas na Sub República para alem de não serem cidadãs, não estão a par do que acontece na Republica. Desconhecem os critérios de tomada de decisões (feliz ou infelizmente, muitas decisões da República têm como objecto ou projectam suas repercussões na Sub República, embora visem seu próprio bem), desconhecem a agenda política, social ou económica do país e neste preciso momento ainda nem ouviram falar que haverá eleições provinciais (dá para perceber que, se com as eleições provinciais há alguma vantagem esta não é para a Sub República).
A Sub República não tem noção de seus direitos, desconhecem a constituição, alias, o debate que conduziu a aprovação da actual Constituição da República não aconteceu na Sub República (logicamente). É que, até na República só tiveram o privilegio de discuti-la os membros do Partido, como se só fossem cidadãos os que estão filiados nos partidos. E por falar em partidos a Sub República é quase sempre conotada com a oposição.
A Sub República conhece só o sub emprego: guardas, limpadores de estradas, vendedores ambulantes, operadores de balcão e outros. Por mais que a pessoa lute e lute, são poucas as suas chances de chegar a um emprego. É assim a regra na Sub República, pois o nível académico só vai até sétima classe, com milagres ainda pode chegar a décima.
É distribuída na Sub República uma grande quantidade de GIN a preço muito baixo. Tal GIN já vem com uma exagerada dose de álcool. É claro que também é grande a distribuição de álcool na República, com a única diferença de haver mais opções aqui que lá. As pessoas na sub Republica são convidadas a beberem grandes quantidades de álcool mesmo sem facilidades de boa alimentação, acesso a serviços de saúde e capacidade de moderação. É que quem vive na Sub República já está proibido de sonhar.
Poderia contar muitas outras constatações pessoais durante a estadia na Sub República de Moçambique, mas vale a pena procurar saber porque é que as situações são assim. Será da globalização? Que globalização? Será do mercado aberto? Que mercado? Ou será das políticas do banco Mundial e FMI? Mas o que é isso também? Será da política governava de quem está na Republica? Ou será da dimensão do País? Será um parágrafo da máxima dividir para reinar? Mas reinar sobre o que e sobre quem? Alguém é feliz em ser rei dos pobres e de sub cidadãos?
Quando se fala do desenvolvimento de Moçambique na verdade quer-se dizer da República e ninguém explica que se exclui a Sub República. Quando se planifica, quando se noticia, quando se ausculta e se debate é tudo sobre a República e não também da Sub República. É que a Sub República só serve para efeitos de estatísticas.
Agora que se pensou em dar sete milhões para desenvolver o distrito, até eu acreditei que esse já era um grande passo, mas a surpresa veio ao de cima: o valor será aplicado em micro créditos ou financiamento e não é investimento público, mais uma vez a Sub República é votada a sorte de Deus, porque o Estado virou banqueiro. Será que alguém já pensou no papel que mesmo nessa condição a Sub República desempenha para o bem estar da República?

6 comentários:

Anónimo disse...

Bem, estas de parabens!

Curiosidade: Qual a sua nacionalidade Custodio Duma? Ganense?

Faco esta pergunta por causa da camiseta que puseste. Agora se es um Mocambicano...
Imagine por exemplo o PCA da Mcel vestido de uma camiseta da Vodacom aparecer em publico. Ate pareceria uma demonstracao ao publico de k nao tem amor pela sua empresa. Espero nao te-lo ferido.
Sergio Vip

Custódio Duma disse...

Kakakaka...essa é boa...nao sei porque me comparou com um PCA? To muito longe de lá...a minha imagem nem chega perto do tal nem doutro PCA...Bommmm falando de empresa se calhar eu deveria usar uma T-Shirt da LDH ne?

Mas o camisete Ghana tem a ver com solidariedade aquele país que neste ano faz 50 anos de independente, la se realizou a 41 Sessao da Comissao Africana dos Direitos Humanos, ainda esta a sessao dos chefes de Esado de Africa, no ano que vem teremos o CAN 2008 em Ghana e para maais...já que estamos a falar de Estaos Unidos de Africa será que faz alguma diferença?

Forte abraço

PS. Relaxa que nao fikei ofendido, pelo contrário foi optima sua observação!!!!

CD

Reflectindo disse...

Há dias tentei postar um comentário meu, mas infelizmente näo foi possível. Era longo e o tinha escrito directamente este rectangulinho, assim acabei perdendo-o. Mas tentarei escrever um novo.

Abracos

Custódio Duma disse...

Ola,

penso que o principal problema foi da rede da net. Pois configurei o blog para que todo leitor possa postar comentarios sem necessitar de permissao.
Contudo agradeço que continue tentando.
Forte abraço
CD

Tsin Tsi Va disse...

Sory, mas esse papo da camisete nao teve NADA HAVER!!! Pior pq a camisete era de um pais africano...irmao....

Sory...ainda se fosse dos USA.....mas nao....

Reflectindo disse...

O tema está em discussão no Diário de um sociólogo : http://oficinadesociologia.blogspot.com/2007/09/sub-repblica-de-moambique.html