terça-feira, 1 de setembro de 2009

Assuntos em Torno do Caso Anibalzinho (1)





Mais uma vez vimos o regresso triunfal do senhor Anibal dos Santos Júnior ao país, uma das grandes diferenças com a outra vez é que não veio de avião e nem fez aquele aceno com a mão, aceno esse que o Presidente Samora fazia para o povo, ao descer do seu avião, anunciando que a sua viagem havia corrido bem.


O primeiro assunto em torno do Anibalsinho é exactamente esse: a sua chegada é sempre tratada como se fosse de um cidadão assumindo funções políticas ou outras de grande relevo para o país. Nunca é tratado como um prisioneiro que está a ser repatriado. Não sei se a mídia não sabe distinguir isso ou são as autoridades que tornam o caso muito especial.


Ao que se sabe até agora, Anibalsinho é um prisioneiro que de vez em quando anda fugitivo e que depois é encontrado e trazido de volta, nada mais que isso, dai que não consigo entender donde vêm os tratamentos que ele recebe tanto pela mídia como das autoridades. Não vamos deixar que o nosso Estado de Direito elogie a loucura.


O Segundo assunto tem a ver com o secretismo que rolou quando se tratou o caso, a mídia a dizer que Anibal havia sido recapturado na sua residência na África do Sul e as autoridades moçambicanas todas a desmentirem. Não foi elegante a forma como os ministros apareceram dizendo que não sabiam de nada enquanto sabiam. Isso mostra falta de respeito das autoridades para com os cidadãos.


Bastava dizer que sim foi capturado e que não podiam dar mais detalhes porque não há necessidade de fazê-lo e todo mundo ficava calado. Se Anibalsinho chegou a falar ao telefone estando sob custódia da polícia sul-africana, significa que os sul-africanos o tratavam como qualquer outro cadastrado perigoso e não com esse secretismo todo.


Os ministros não sabem que perdem a confiança dos cidadãos quando estes percebem que as vezes mentem? Ministros não devem mentir. Como é que um ministro de tutela diz que não sabe nada sobre o caso Anibalsinho e no mesmo dia a corporação aparece com Anibal escoltado desde a fronteira com a África do Sul?


O terceiro assunto tem a ver com com os recados enviados por Anibal, tanto a sociedade moçambicana como para o sector da justiça que tem o seu caso. É claro que o seu caso já foi julgado e não vai voltar a julgamento, embora possa ser agravada a sua pena dada o seu mau comportamento como recluso. Mas a quem interessa os recados que ele passou via telefone a STV?

Um dos investigadores do caso Anibal continua a afirmar que a palavra de Anibalsinho não se escreve porque ele nunca fala a verdade. Mas e esses recados? São verdadeiros ou falsos? Como saber a verdade? E a verdade, mais uma vez, a quem vai interessar? A quem pensa o Anibal vir a atingir com citações de nomes de figuras sonantes nos meandros da nossa polícia?

Se eu fosse vidente, gostaria de saber quem anda a instrumentalizar o Anibal dos Santos Júnior, pessoa que apesar de tudo tem família que gosta muito dele e espera que ele acerte as contas com a justiça e volte ao seu convívio tranquilo. Será que ele não entende que todo esse seu comportamento, por iniciativa própria ou de outrem só prejudica a sua família e a todos aqueles que gostam dele?


O quarto assunto no caso Anibal é essa sua capacidade de fugir das celas de alta segurança. Parece que é a terceira vez que ele foge e gosta sempre de mandar o mesmo recado, que não fugiu, mas que foi retirado das celas e nunca diz quem o retira. Se ele foge ou não foge um dia todos ficaremos a saber, a verdade é que há necessidade de revermos aquilo que chamamos de cadeia de máxima segurança. Porque pode já não ser isso.

É que, se o mesmo individuo consegue escapulir-se por três vezes, os outros que estão na mesma condição que ele, de reclusos com penas muito altas, começam a perceber que afinal podem fugir também. Se esses também perigosos, e alguns muito mais perigosos que Anibal, não conseguem fugir, na verdade começamos a não acreditar que o nosso Anibalsinho realmente tem fugido.


A sua última fuga foi durante o dia, cerca das 10 horas da manhã, com muito sol e tudo. Quem sabe onde fica o Comando da Cidade de Maputo sabe que não é fácil fugir desse lugar nessa hora e não ser visto. Logo Anibalsinho, um cara que todo mundo conhece ou pode reconhecer.


Não é por acaso que hoje, começa a associar-se o caso Anibal Júnior com as eleições que se avizinham. Eu não entendo bem como e porque, mas há muito espaço para especular no caso em apreço. Penso que a corporação e a justiça precisam rever suas posições para não se trasnformarem em vítimas de Anibal e dos seus detractores.

O outro assunto em torno desse caso são os outros dois reclusos, o Todinho e o Samito, que fugiram com o Anibalsinho. Se Anibalsinho não figiu, mas foi retirado das celas, então tinha sido para quê? E para quê foram retirados o Todinho e o Samito? Bem, sabemos que um deles depois veio a perder a vida e o outro foi recapturado. Mas o que pretendo compreender é o cenário que esteve em jogo nos dias da fuga, na semana da fuga e até no dia da fuga e noutros dias subsequentes. O que estava em torno da situação?

Penso que o Anibal e o recluso sobrevivo podem explicar o que aconteceu, sabendo que dias depois da fuga a corporação perdeu um dos seus melhores filhos, o chefe da ordem no mesmo comando em que os tais estavam guardados. Penso que, em memoria do agente morto, e para a paz da sua família e da sociedade no geral, algo precisa ser explicado ainda.

Penso que os assuntos sobre o Anibal não vão ser esgotados nesta coluna, levanto as questões só para a nossa reflexão e possível acréscimo de outros cenários desse caso que é público e tem a ver com o assassinato de um grande activista dos direitos e liberdades das pessoas o jornalista Carlos Cardoso.

Mas para terminar, deixe-me perguntar algo: onde é que o Anibal dos Santos Júnior será guardado a partir de agora? É que da BO cadeia que se pretendia de máxima segurança ele saiu com facilidade extra ordinária. Foi depois conduzido às celas do Comando da Cidade, onde se pressupunha que teria maior segurança ainda (segurança maior que a máxima), mas dai também fugiu e a luz do dia.


Agora onde será guardado o famoso cadastrado? Sabendo que acima de tudo não se pretende reduzir a sua dignidade como ser humano, mas reprovar os seus actos, ou seja, onde será o Anibal guardado, sem prejudicar os seus direitos humanos e sem lhe dar a chance de fugir mais uma vez? Para que cumpra a sua pena e volte ao convívio da sua família regenerado!

Mais não disse

3 comentários:

vania ngoque disse...

Amizade...
Uma vez mais voltou a rolar o filme de Anibal dos Santos junior, so que desta vez me pareceu que os telespectadores ja estao cansados do mesmo filme e nem sequer deram-se o trabalho de por os pes na sala de cinema.

Com alguma insistencia por parte da midia e resistencia dos orgaos da administracao da justica, assistiu-se aquele espectaculo triste. Foi horrivel assistir as contradicoes" um dia nao sabiam, outro dia sabiam e estavam a trabalhar nesse sentido". Sempre com o mesmo discurso enganador "estamos a enveredar esforcos nesse sentido" ate quando viveremos sem principios essenciais como honestidade e dignidade!!!

Quanto ao comportamento de Anibalsinho, nao me parece que seja de alguem que deseja regenerar-se, mas sim de alguem que gosta de chamar atencao com as patetices criadas a sua volta...

Egídio Vaz disse...

Caro Duma,
Hehe, fala de ANIBALS(Z)INHO ao mesmo tempo que condena a cobertura da imprensa e o "valor"que a Polícia lhe outorga.
Pessoalmente nunca comentei sobre ele em nenhum espaço público por achar que o assunto é bastante complexo como parece. E porque dá a entender que ele goza da mais alta benção de quem tem poderes bastantes para o tirar...antes interessaria saber que é esta pessoa. Antes disso, tudo continuará na mesma.
E ele cada vez mais espero, ou pretendo o ser.
E, como forma de protesto, calo-me.
Abraços.

Custódio Duma disse...

Esse Anibalzinho ou Anibalsinho, ainda vai ser motivo para revisarmos todo o nosso sistema de justica. Parece que o povo mocambicano está a pagar o preco da sua apatia. Enquanto se punha o fogo ninguem pensava que a sua palhota tambem haveria de arder e hoje todo mundo está sem saber o que dizer.

Egidio meu amigo, eu percebo que o teu silencio é a tua forma de protestar, mas a mais pura verdade nisso tudo é o facto de nao saberes por onde comecar, o caso ultrapassou a tua capacidade de contrapeso e para nao disparares para tudo que se move, sem saber se é gente ou animal, preferes guardar a tua palavra.

É corajoso quem fala de Anibalzinho porque todos que falam algo sobre ele sabem que ele é tambem uma vitima. Vitima de um sistema de justica que se esforca em manter erguida uma balanca sem prumo e uma espada sem fio. E o que poderia o sistema fazer senao em fingir que está em pé e independente?

No meu argumento nao escrevo sobre o anibal, escrevo sobre o que fica nas entrelinhas e na maneira como somos tratados. Como e fossemos criancas!

Vania, tens razao, é um filme onde todo povo mocambicano incluindo as instituicoes de justica somos actores. A infelicidade é que no fim o bandido é que ganha. Leia-se bandido e nao Anibalsinho.

A luta continua...acho que estou com saudade de Samora Machel!